DreamSpark – ETEC – Centro Paula Souza

Centro Paula Souza - ETEC - DreamSpark Premium

https://etec.onthehub.com/WebStore/Welcome.aspx

Através de um contrato entre sua a acadêmica ETEC e a Microsoft, Diversos softwares licenciados sob o Programa DreamSpark está disponível para alunos, corpo docente e funcionários.

Acesse o link acima.

No meu caso, como aluno devidamente matriculado na ETEC Júlio de Mesquita e com e-mail institucional, ou seja, aquele @etec.sp.gov.br, temos acesso a diversos aplicativos, inclusive diversas versões do Windows 10.

Ótima iniciativa, de grande valia e que demonstra a necessidade crescente de compartilhamento de informações, de forma honesta e verdadeira.

produtos etec

produtos etec 2

Sem título

Anúncios

Eletricidade Básica – Prof Jonie – Aula de 04-08-2016

Eletricidade Básica
Aula de 04-08-2016
Prof. Jonie Gibba

Corrente Elétrica

É o fluxo ordenado de elétrons em um condutor (tentativa da natureza de diminuir o desequilíbrio elétrico).

Fluxo-da-Corrente-eletrica

O sentido real da corrente elétrica é do negativo para o positivo, porém em mitas literaturas é adotado o “sentido convencional”, do positivo para o negativo.

Leia mais… clique aqui

Click-Here-Signs-62191

Brasileiros controlam interações da luz que atrapalham chips fotônicos (por: http://www.inovacaotecnologica.com.br/)

Chips fotônicos

Físicos brasileiros conseguiram um avanço importante no controle da interação entre a luz e as vibrações “mecânicas” no interior dos materiais, um passo importante para o desenvolvimento de chips que integram a eletrônica com a fotônica, além de sensores ópticos e outros dispositivos.

O desenvolvimento dessa nova tecnologia – que promete aumento de velocidade e redução no consumo de energia dos aparelhos – depende, contudo, do avanço no conhecimento sobre a forma como a luz interage com a matéria – os componentes eletrônicos e fotônicos – e como é possível controlar essa interação.

Um dos desafios é fazer com que a luz possa viajar sem ser importunada pelas vibrações naturais, ou induzidas por ela própria, no interior do material usado para fabricar os componentes – são essas vibrações, atômicas, acústicas etc, que os físicos chamam de mecânicas.

A equipe brasileira descobriu agora que é possível cancelar essa interferência.

“A ideia é que, em um futuro breve, os chips tenham não só elétrons, como também fótons, que seriam guiados por nanofios de silício equivalentes às fibras ópticas,” explica o professor Paulo Dainese, da Unicamp.

Leia tudo… Clique aqui

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=brasileiros-controlam-interacoes-luz-atrapalham-chips-fotonicos&id=010110160727#.V54eh2grLIV

Tcc 4° Eletrônica. 1° Semestre 2012 Etec PV – Publicado em 4 de jul de 2012

Detector de gás GLP voltado para residencias, comercios e industrias. Componentes do Grupo: CELSO TAKECHI MOTOHIRO, ANTONIO MARCOS SOUSA MARTINS, HENRIQUE BRITTO GUEDES, MAURÍCIO DOS SANTOS FILHO, NICHOLAS LUCAS DE ASSIS

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=_UlR4a1RVyE

Importância do Regulador de Voltagem

Os circuitos chamados de “reguladores de voltagem” são pequenas fontes de alimentação do tipo CC-CC (convertem tensão contínua em outra tensão contínua com valor diferente). Acima temos alguns desses circuitos.

Eles são formados por um transistor chaveador (o componente preto com três “perninhas” que fica “deitado” sobre a placa), o transformador (o anel de ferrite com fios de cobre ao seu redor), capacitores de filtragem (os componentes em forma de cilindro) e o regulador de voltagem (são similares aos transistores chaveadores).

O objetivo do regulador de voltgem é gerar as voltagens necessárias ao funcionamento dos chips. Por exemplo, memórias DDR operam com 2,5 volts, mas a fonte de alimentação não gera esta voltagem. Então um circuito regulador na placa mãe recebe uma entrada de +5 ou +3,3 volts e a converte para 2,5 volts.

Na época dos primeiros PCs, a esmagadora maioria dos chips operavam com +5 volts. Esta era portanto a única saída de alta corrente (fontes padrão AT). A saída de +12 volts naquela época operava com corrente menor que nas fontes atuais. Chegaram então os primeiros processadores a operarem com 3,3 volts, como o 486DX4 e o Pentium. As placas de CPU passaram a incluir circuitos reguladores de voltagem, que geravam +3,3 volts a partir da saída de +5 volts da fonte.

Novos processadores, chips e memórias passaram a operar com voltagens menores. Memórias SDRAM operavam com +3,3 volts, ao contrário das antigas memorais FPM e EDO, que usavam +5 volts. Chipsets, que fazem entre outras coisas, a ligação entre a memória e o processador, passaram a operar com +3,3 volts. Os slots PCI ainda usam até hoje, +5 volts, mas o slot AGP no seu lançamento operava com +3,3 volts, e depois passou a operar com +1,5 volt. Por isso uma placa de CPU moderna tem vários reguladores de voltagem.

Interessante é o funcionamento do regulador de voltagem que alimenta o processador. Este regulador era antigamente configurado através de jumpers. Por exemplo, a maioria dos processadores K6-2 operava com 2,2 volts, e esta tensão tinha que ser configurada. A partir do Pentium II, a voltagem que alimenta o núcleo do processador passou a ser automática, apesar de muitas placas continuarem oferecendo a opção de configuração manual de voltagem para o núcleo do processador.

Um processador moderno tem um conjunto de pinos chamados VID (Voltage Identification). São 4, 5 ou 6 pinos, dependendo do processador. Esses pinos geram uma combinação de zeros e uns que é ligada diretamente nos pinos de programação do regulador de voltagem que alimenta o processador. Na maioria das placas de CPU, este circuito gera a tensão do núcleo do processador a partir da saída de +12 volts da fonte. Por isso as fontes de alimentação atuais (ATX12V, mas conhecidas vulgarmente no comércio como “fonte de Pentium 4”) tem o conector de +12 volts dedicado e de alta corrente.

Por fim, muitos dos problemas que envolvem placa mãe são em decorrência do mau funcionamento do regulador de voltagem, até mesmo a placa mão pode parar de funcionar por defeito no referido circuito.

Fonte: internet

Fio elétrico produzido por bactéria deixa nanoeletrônica mais verde – por http://www.inovacaotecnologica.com.br/

Fios bacterianos

Nesta plataforma de testes, o biofio bacteriano foi usado para fazer uma conexão entre dois eletrodos. [Imagem: UMass Amherst]

Biólogos usaram engenharia genética para criar uma nova cepa de bactéria que produz nanofios com excelente condutividade elétrica, e compostos unicamente de aminoácidos naturais e atóxicos.

Os biofios têm uma eficiência equivalente à dos melhores nanofios inorgânicos já sintetizados em laboratório, o que os torna adequados para a construção de dispositivos nanoeletrônicos.

A equipe vem aperfeiçoando seus nanofios bacterianos há vários anos, e agora eles acreditam ter alcançado um patamar adequado para aplicações práticas.

Leia matéria na integra – Clique aqui

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=biofio-produzido-bacteria-deixa-nanoeletronica-mais-verde&id=010165160726&ebol=sim#.V5i4xWgrLIU

Passe Escolar – CADASTRO/RECADASTRAMENTO ESCOLAR 2016

A partir de 2016, o cadastro e/ou recadastramento de estudante para o Passe Escolar, será feito online. É necessário que o aluno solicite seu cadastro no sistema, para que a escola consiga validar o mesmo. Cada escola será cadastrada e receberá um login e senha para avaliar o cadastro de cada um de seus estudantes.

Como funcionará o novo sistema?

Ao invés do estudante preencher o antigo formulário SAE, levar na escola para a direção confirmar as informações e assinar, agora, o próprio aluno deverá fazer seu cadastro/recadastramento diretamente no site www.aesanet.com.br, clicando no botão CADASTRO ESCOLAR e preenchendo os dados solicitados. A escola, já cadastrada no sistema, fará analise de todos os dados informados pelo estudante. Confirmado pela escola, a AESA verificará as demais informações e enviará e-mail ao aluno com o status do seu cadastro/recadastro. Com o cadastro aprovado, no caso de alunos já cadastrados no Passe Escolar 2015, será enviado ao e-mail informado, a confirmação do cadastro e o boleto para pagamento da taxa de 05 (cinco) tarifas, o cartão será validado nas leitoras embarcadas nos ônibus e estará apto para uso no período de aula informado pela escola. Para o caso de alunos em seu primeiro cadastro, também será enviada confirmação, no e-mail informado, solicitando seu comparecimento ao posto de atendimento da AESA para coleta de foto, biometria, pagamento da taxa de 05 (cinco) tarifas vigentes e retirada do cartão.

leia mais em : http://www.aesanet.com.br/?page=intro-cades

MANUAIS:

Primeiro Acesso CLIQUE AQUI

Pimeiro Acesso – ACESSO ALUNO (exclusivo para o Passe Escolar Gratuito) – CLIQUE AQUI

ACESSO PARA O PORTAL CADES

◾LINK 1 – HTTP://S1.AESANET.NET/CADES/

◾LINK 2 – HTTP://S2.AESANET.NET/CADES/

Fonte:

http://www.aesanet.com.br/?page=intro-cades

http://s1.aesanet.net/cades/Account/Login